Criada em 1995 pelo professor de Harvard Clayton M. Christensen, a teoria da inovação disruptiva é aquela que ajuda os mercados existentes a evoluir. Ou seja, é percebida quando uma empresa, visando lucros menores, oferece um serviço que já existe, de forma mais barata, acessível e eficiente.

Em um primeiro momento a inovação disruptiva pode oferecer baixa qualidade, mas com o tempo consegue melhorar exponencialmente seus produtos e serviços. Pois, só assim elas conseguirão competir de igual para igual com as empresas líderes de mercado em determinados segmentos.

Novos modelos de negócio

Uber, 99 taxi, Netflix, Airbnb e Google são algumas das empresas representantes da inovação disruptiva que conseguiram dar um novo fôlego para um mercado que aparentemente estava esgotado de novas ideias. Elas se tornaram empresas de sucesso e perceberam que a tecnologia é o melhor investimento.

Após a criação dessas empresas as pessoas começaram a experimentar novas forma de se locomover, assistir filme, se hospedar e pesquisar na internet. É possível observar que todos esses serviços já existiam no mercado, mas eram oferecidos de outra forma.

Como as inovações disruptivas geralmente começam a aparecer de forma muita tímida e utilizando tecnologias simples, a maioria das empresas tendem a ignorá-las. Mas, elas podem ser melhoradas com rapidez e profundidade desestabilizando todo o mercado existente.

Uma nova maneira de consumir

A inovação disruptiva democratizou o consumo fazendo com que ele chegasse a uma parcela maior da população. Mas, para que isso se tornasse viável era necessário entender o mercado consumidor, e saber se ele estava ou não disposto a experimentar esse tipo de novidade.

O surgimento do AirBnb, por exemplo, não fez com que a procura por hotéis acabasse. Mas, a plataforma de compartilhamento de residências fez com que a conexão entre as pessoas que estavam alugando um espaço da sua casa, e os que estavam buscando estadia fosse muito além, proporcionando uma experiência mais completa para o viajante.

É perceptível que a maior dificuldade das empresas em adotar a inovação disruptiva está ligada ao fator comportamental. Geralmente são empresas que possuem poucas habilidades tecnológicas, e não conseguem reagir rapidamente por questões culturais ou burocráticas.

Os efeitos da inovação disruptiva

Toda inovação traz consigo grandes impactos. Eles podem ser sentidos através de queda de rendimento dos colaboradores, faturamento do negócio, demissões de pessoas ou falência de empresas que não entendem ou não conseguem acompanhar e se adaptar a esse novo formato de consumo.

Por outro lado, os consumidores acabam ganhando, pois conseguem ter acesso a um número maior de opções. Afinal de contas, a inovação disruptiva torna acessível a outros consumidores algo que teoricamente estaria disponível apenas para aqueles que possuem muito dinheiro.

É muito importante ficar atento ao mercado e perceber se o seu negócio atual corre risco de ficar ultrapassado. Pense em novas formas de oferecer seu produto ou serviço com melhor qualidade, menor custo e maior acessibilidade. As empresas que estão mais antenadas nessa tendência conseguem se antecipar e aproveitar a tecnologia alcançando assim um maior número de consumidores.

Como ela funciona na prática

De fato, o mercado está em um crescente, e nos próximos anos essa velocidade só tende a aumentar. Todos os negócios estão sendo afetados e em algum momento a sua empresa também será impactada por algum tipo de inovação. Então, é melhor que você se antecipe e comece a liderar esse movimento de mudança.

Fique de olho nas tecnologias, pois embora algumas não tenham uso totalmente comercial, elas podem ajudar de alguma forma a melhorar o seu negócio. Monitore constantemente o seu público, as tendências e o crescimento da inovação no seu segmento.

É importante destacar que a inovação sozinha não garante longevidade para o seu negócio. E, para que a empresa consiga se manter no mercado, e ao mesmo tempo evoluir é necessário equilíbrio financeiro. Portanto, não esqueça que o seu planejamento deve contemplar tanto o custo das operações mais básicas como os investimentos que serão realizados em tecnologia.

Lembre-se que o que funciona muito bem para uma empresa, pode não funcionar tão bem para outra. Então não adianta copiar aquele modelo de mercado que está dando certo. É essencial entender o seu modelo de negócio, e buscar tecnologias, investimentos e parcerias que podem ser relevantes.

A cultura da inovação também pode e deve ser inserida no dia a dia da sua empresa. Inovar não é tão fácil, por isso é preciso se planejar para propiciar um ambiente criativo com processos sustentáveis e que gerem produtos e soluções inovadores.

As pessoas são essenciais nesse processo. Pois, é por meio delas que a inovação irá se tornar um hábito. Envolva todos os seus colaboradores, sem exceção e estimule esse comportamento orientado à descoberta.

Estão disponíveis vários conceitos e sistemas que podem te ajudar a tornar a cultura da inovação viável. Analise, experimente, veja qual se encaixa melhor no seu negócio e comece agora mesmo. E a sua empresa, já está pronta para enfrentar essa mudança?